quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Saídas.


A vida nos faz aprender, na pratica, que as nossas conexões de causalidade são puramente mecânicas.
Que uma determinada atitude que se repete, necessariamente será igual à passada, mesmo que o agente seja outro qualquer.
É mesmo que colocar o dedo em uma tomada a primeira vez e levar um choque.
Somos levados a pensar, automaticamente, que se colocarmos novamente o dedo na tal tomada tomaremos um choque e com outro agravante, o da experiência passada, que lhe custou certo trauma, certa perda, o que já lhe conduz a esperar uma conseqüência negativa, esperar com o sentimento de uma ansiedade que lhe faz mal.
Com a vida é a mesma coisa, mesmo sabendo da imprevisibilidade das ações humanas só enxergamos geralmente duas possibilidades: a do sim e a do não.
Outras tantas possibilidades se perdem no vácuo da nossa imaginação e deixamos de ter consciência da capacidade de reinventar uma nova estória, uma nova conclusão, um novo fim.

3 comentários:

ARI LOPES disse...

Oi Passei por aqui.
Gostei do seu Blog e me inscrevi

Abraço Ari

Bethinha disse...

por isso que têm vantagens em ser um "desmemoriado"

ARI LOPES disse...

http://www.overmundo.com.br/perfis/ari-lopes

Oi veja acima o link.

Descobri esse site recentemente e coloquei algumas coisas